Centro de Treino e Simulação Cirúrgica do HFF – entrevista

11 Agosto, 2021

No âmbito da criação do Centro de Treino e Simulação Cirúrgica do Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca (HFF), conversámos com os médicos cirurgiões Wilma Dias e Paulo Alves, responsáveis pela operacionalização do referido Centro.
A importância, as expetativas, os ganhos em saúde para profissionais e utentes bem como as perspetivas de futuro para este Centro são as questões abordadoras.

O objetivo deste Centro de Treino e Simulação Cirúrgica é proporcionar a realização de treinos e testes aos cirurgiões e respetivas equipas, permitindo melhorar as suas competências técnicas na realização das cirurgias nos doentes.

Qual a mais-valia que o Centro de Treino e Simulação Cirúrgica pode trazer ao HFF?
A atividade cirúrgica comporta a decisão terapêutica e o ato técnico. Este último pode ser facilmente otimizado com recurso ao treino e à simulação.
O Centro de Treino e Simulação Cirúrgica visa promover o aperfeiçoamento dos gestos cirúrgicos, sobretudo nesta fase inicial a vertente da laparoscópica. O nosso objetivo é proporcionar uma excelência do desempenho dos cirurgiões, quer em tempo quer em qualidade, com melhoria dos resultados principalmente para os doentes, mas também para o HFF.

Sendo o treino importante para a qualidade cirúrgica, qual se pretende que seja a utilização que os cirurgiões do HFF façam deste Centro?
Este Centro está disponível para todos os cirurgiões do Hospital, sejam Internos da Especialidades e Assistentes. Pretende-se que abranja não só a especialidade de Cirurgia Geral, mas também de outras especialidades cirúrgicas como por exemplo Urologia, Ginecologia e Cirurgia Pediátrica.
O ideal seria que todos os cirurgiões tivessem condições para fazer a sua formação de forma continuada. Mesmo na situação atual, em que é difícil arranjar tempo da agenda assistencial para poder treinar os gestos cirúrgicos, seria desejável a criação de uma “bolsa de horas” incluída no horário laboral que fizesse parte das atividades dos cirurgiões.
O Centro de Treino está disponível 24 horas por dia. Este horário permite que qualquer elemento possa utilizá-lo fora do seu horário, usando esse tempo para desenvolver e aperfeiçoar os seus skills e destreza laparoscópicas.

Sendo o treino e a avaliação duas faces da mesma moeda, poderá ser um motivo para uma menor adesão por parte dos profissionais de saúde?
Todos os profissionais de saúde estão cientes da importância da formação e tentam fazê-la através de cursos e congressos. Já a avaliação gera sempre algumas reservas, na nossa opinião, por uma questão cultural.
O objetivo deste Centro é permitir aos cirurgiões do HFF as condições para melhorar a qualidade técnica e a confiança, porque a avaliação vai sempre existir no dia-a-dia do profissional de saúde. É fundamental existir um estímulo individual e de grupo para que todos possam aderir a 100%, sendo essa a nossa intenção.

Quais são as perspetivas de evolução deste projeto?
O projeto começou com o desafio do Diretor de Serviço, o Dr. Vítor Nunes, e direcionado para a cirurgia laparoscópica, aproveitando alguns recursos já existentes no serviço. As primeiras iniciativas foram muito bem recebidas pelos elementos do serviço e gostaríamos de melhorar as condições do Centro para podermos fazer formação de técnicas mais exigentes como as anastomoses laparoscópicas ou alargar o leque de áreas formativas a outras especialidades, cirúrgicas e não só.
Neste momento utilizamos como modelo do Curso o Fundamental Laparoscopic Surgery, que é creditado pela Society of American Gastrointestinal and Endoscopic Surgeons e pelo American College of Surgeons. Do ponto de vista científico, temos o objetivo de criar um curso de laparoscopia aberto não só à comunidade cirúrgica do HFF, mas também de outras instituições, acreditado cientificamente pela Sociedade Portuguesa de Cirurgia e Sociedade Portuguesa de Cirurgia Minimamente Invasiva.