HFF e Universidade Católica Portuguesa unem-se na formação de futuros/as médicos/as

10 Março, 2023

O Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca (HFF) e a Faculdade de Medicina da Universidade Católica Portuguesa (FMUCP) vão unir-se na formação de futuros/as médicos/as. Através de um protocolo formalizado esta tarde, nas instalações do HFF, as duas Instituições comprometem-se à realização de ensino prático, tutorial e estágios clínicos curriculares aos/às estudantes do curso de Medicina.

A formalização desta colaboração contou com a presença da Reitora da Universidade Católica Portuguesa, Isabel Gil, do representante da Direção Executiva do Serviço Nacional de Saúde, Francisco Goiana da Silva, da presidente da Câmara Municipal da Amadora, Carla Tavares, e do presidente da Câmara Municipal de Sintra, Basílio Horta.

O HFF tem já uma vasta experiência no ensino universitário na área da Medicina. O hospital colabora a este nível com diversas Instituições de Ensino Superior, designadamente, com a Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, com a Nova Medical School/ Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, e com a Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. O HFF é uma das Entidades afiliadas do Centro Académico de Medicina de Lisboa.

Ao abrigo destes protocolos, o HFF proporcionou 471 e 562 estágios médicos em 2021 e 2022, respetivamente. Estes números expressivos mostram o comprometimento do Hospital em contribuir para a formação das futuras gerações de médicos.

O HFF e a FMUCP estão unidos neste desígnio formativo por partilharem a mesma visão sobre a importância que a saúde e a educação médica assumem na sociedade portuguesa. Além disso, existe igualmente uma proximidade geográfica entre as duas Instituições, já que o curso de medicina desta Universidade, recentemente criado, decorre em instalações no concelho de Sintra, que pertence à área da influência do HFF.

“Este protocolo assume uma grande importância, já que para além de permitir dar um forte contributo para a formação de futuros médicos, constitui também mais um passo para que o HFF possa vir a constituir-se, agrupado com o futuro Hospital de Proximidade de Sintra, como um Centro Hospitalar Universitário”, diz Joana Chêdas, presidente do Conselho de Administração do HFF.

A criação de um centro hospitalar é previsível em consequência da construção do Hospital de Proximidade de Sintra, que se encontra em construção financiado pelo Município de Sintra e que será agregado ao HFF.

Assim, “a grande oportunidade que se colocará é que esta Instituição passe a ser um Centro Hospitalar Universitário e esse é um desafio que abraçamos com entusiasmo, dada a crescente vocação universitária que esta Instituição vem assumindo”, reforçou Joana Chêdas. A presidente do Conselho de Administração destacou ainda que este Protocolo “é mais um contributo muito relevante que o HFF dá para a formação de médicos que venham robustecer a resposta do Serviço Nacional de Saúde”.

“Para a Universidade Católica é um orgulho estarmos aqui hoje. É fundamental para um programa académico de uma faculdade de medicina um eixo clínico de grande qualidade e com este protocolo temos essa garantia. Enquanto faculdade de Medicina instalada no concelho de Sintra vamos dar o nosso contributo para que o HFF se constitua como um centro universitário de referência”, afirmou Isabel Capeloa Gil, Reitora da UCP.

“Este é um dia muitíssimo importante para os dois municípios servidos pelo HFF. Temos a capacidade de gerir em rede a missão exigente da prestação dos cuidados de saúde”, disse Carla Tavares, lembrando as 101 nacionalidades que habitam o concelho da Amadora e que colocam desafios na prestação de cuidados de saúde.

Basílio Horta, Presidente da Câmara de Sintra, começou por lembrar “o notável trabalho que o trabalho que os profissionais do HFF desempenham e o privilégio de ter a Faculdade de Medicina instalado em Sintra”.

Francisco Goiana da Silva destacou a palavra “futuro”: “Sempre que penso em universidades penso em futuro. Os jovens aprendem com os mais experientes, mas os mais experientes também aprendem com os mais jovens.”

Com base neste Protocolo prevê-se ter, em setembro de 2024, alunos a estagiar/rotações clínicas do 4º ano do curso de medicina. Trata-se de um total de oito alunos de cada vez e a partir de setembro de 2025, rotações clínicas do 5º ano, num total 10 alunos de cada vez.