Doenças respiratórias em tempo de frio: cuidados a ter

9 Novembro, 2017

São muitos os portugueses que ficam doentes devido às baixas temperaturas, o que os leva muitas vezes a ficar em casa, ou a recorrer às urgências dos hospitais.

As doenças do aparelho respiratório são a principal causa de internamento hospitalar em Portugal. A origem do problema está nos vírus e noutros agentes infeciosos que se aproveitam do frio.

O organismo defende-se num processo que começa nas vias respiratórias: o nariz inala o ar e as substâncias agressivas, mantendo uma temperatura de 37ºC e uma humidade de 78%.

Se o ar estiver muito frio, os capilares nasais dilatam-se e produzem mais muco, o que pode resultar numa congestão nasal ou até numa infeção respiratória.

Apesar de serem mais comuns no Inverno, as infeções e doenças respiratórias merecem a sua atenção:

Constipação: pode ser causada por mais de 200 tipos de vírus. Nestes casos, recomenda-se o repouso, a ingestão de líquidos, inalação de vapor de água e recurso a medicamentos (por indicação médica).

 

Gripe: tem origem num vírus agressivo e com grande capacidade de mutação. É muitas vezes considerada comum mas, ao contrário da constipação, pode evoluir para doenças mais graves como a pneumonia.

Otite Média: é muito frequente entre os seis meses e os dois anos de idade e segue-se, quase sempre, a uma infeção vírica das vias aéreas superiores, causando dores de ouvidos e febre.

Bronquiolite: é uma inflamação dos bronquíolos geralmente causada pelo vírus sincicial respiratório (mais ativo durante os meses de Inverno), sendo comum nas crianças com menos de dois anos.

Sinusite aguda: não é uma doença exclusiva do Inverno, mas os sintomas podem agravar-se com o frio. Trata-se de uma inflamação dos seios peri-nasais – cavidades situadas junto ao nariz nas quais se acumula o muco nasal – que causa o entupimento do nariz, dor em alguns pontos da face, sensação de peso na cabeça e nos olhos, ou febre. Em caso de agravamento dos sintomas, pode dar origem a uma otite, bronquite ou meningite.

Asma: é uma doença inflamatória crónica que tende a agravar-se com a descida da temperatura. As crises de asma variam em intensidade e duração, mas a evolução tende a ser favorável, sobretudo com o tratamento adequado.

Pneumonia: acontece quando uma gripe não é bem tratada e pode ser originada por vírus, bactérias ou, embora raro, por fungos ou micro-organismos. A pneumonia é a inflamação dos alvéolos pulmonares – os sacos de ar que existem nas extremidades dos brônquios – e tem tratamento mas, quando se agrava, pode ser fatal.

Infelizmente, ainda não há receitas milagrosas para evitar por completo as doenças respiratórias. Contudo, é sempre possível minimizar o risco e o melhor mesmo é prevenir-se:

  • Não espirre ou tussa para o ar: tape o nariz e a boca com um lenço;
  • Use os lenços de papel apenas uma vez;
  • Lave as mãos regularmente, utilizando sabão ou um gel desinfetante;
  • Desinfete as mãos após tocar em objetos de uso público;
  • Evite levar as mãos à boca, ao nariz ou aos olhos;
  • Evite o contacto com pessoas doentes;
  • Evite o fumo do tabaco e a frequência de locais poluídos;
  • Aspire a casa com frequência e evite a utilização de alcatifas, tapetes e cortinados muito densos e de fácil acumulação de pó;
  • Limpe e substitua regularmente os filtros do ar condicionado;
  • Se tem mais de 65 anos ou é doente crónico, informe-se sobre a vacina contra a gripe;

Em caso de dúvidas consulte o seu médico.