HFF realiza a angioplastia coronária número 10 mil

13 Maio, 2021

A Unidade de Cardiologia de Intervenção do Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca (HFF) realizou a angioplastia coronária número 10.000, um marco simbólico que assinala a excelência assistencial do HFF na doença cardíaca aguda. São 10.000 corações de pacientes salvos ao longo dos últimos 25 anos – uma média de mais de uma angioplastia por dia nas últimas duas décadas e meia se considerarmos que a unidade trabalha 365 dias por ano em regime presencial e prevenção –, através de um procedimento minimamente invasivo, que permite desbloquear uma artéria que está total ou parcialmente obstruída, e repor o fluxo normal de sangue na zona afetada do coração.

A angiografia coronária diagnóstica (‘cateterismo’) e a angioplastia coronária (‘intervenção’) são procedimentos que estão particularmente indicados em doentes com enfarte agudo do miocárdio. A atuação da “Via Verde Coronária”, em próxima parceria com o INEM e a VMER – Viatura Médica de Emergência e Reanimação do HFF, é um dos principais pilares de assistência e resposta do Hospital à população dos concelhos da Amadora e de Sintra, devido à cada vez maior prevalência de problemas cardíacos na sociedade portuguesa.

Este método consiste na introdução de um tubo muito fino (“cateter”), com um balão na extremidade, dentro da artéria que está obstruída, dilatando-a, para que seja possível retomar o fluxo de sangue normal. Na maior parte dos casos, é também implantada uma rede ou malha metálica (“stent”) para garantir que a artéria se mantém aberta, deixando fluir o sangue. A angioplastia é um procedimento que demora habitualmente entre 30 a 45 minutos. Em casos programados pode ser efetuada sem necessidade de internamento. Trata-se de uma alternativa à cirurgia de revascularização de “peito aberto”, e tem marcado benefício na esperança de vida e no controlo de sintomas e reinternamentos, e no controlo de sintomas em doentes com angina estável refratária à medicação.

Em 2019, foi realizado um investimento que ascendeu a mais de €758.000 (financiado a 50% pelo POR Lisboa 2020), para atualização de equipamentos de angiografia do HFF. Atualmente a Unidade de Cardiologia de Intervenção está equipada com um angiógrafo topo de gama e um ecrã que permite a integração de imagens adquiridas nas salas de TAC.

Marco Ferreira, Presidente do Conselho de Administração do HFF, refere que a angioplastia 10.000 do HFF “trata-se de um marco simbólico, que revela o enorme trabalho que a Unidade de Cardiologia de Intervenção do HFF dedica à sua população, sempre com o objetivo de prestar cuidados de saúde de qualidade e altamente diferenciados”.

Pedro Farto e Abreu, responsável pela Unidade de Cardiologia de Intervenção do HFF, acrescenta: “Estamos certos que a atividade clínica e assistencial da Unidade de Cardiologia de Intervenção é um dos fatores de orgulho da Instituição pelos cuidados de grande qualidade prestados a um elevado número de doentes.” O responsável da Unidade destaca ainda a “excelência, empenho e dedicação dos seus profissionais das diferentes áreas: médicos, enfermeiros, técnicos de cardiopneumologia, técnicos de radiologia e auxiliares“. A Unidade tem tido na investigação cardíaca um papel fundamental, “participando regularmente em vários ensaios e registos nacionais e internacionais, com várias publicações em revistas médicas nacionais e internacionais, de elevado fator de impacto”, conclui Pedro Farto e Abreu.