Dia Internacional do Tradutor

30 Setembro, 2022

Celebramos hoje o valor da tradução na aproximação entre os povos. Saiba como um(a) tradutor(a)/intérprete pode melhorar a experiência dos/das nossos/as utentes no hospital.

 

A 30 de Setembro, a Organização das Nações Unidas assinala o dia internacional do tradutor, dia de São Jerónimo, autor da primeira tradução latina da Bíblia e padroeiro de todos os tradutores.  Reconhece a importância desta função para a aproximação dos diferentes povos, facilitando o diálogo, a compreensão e a cooperação, contribuindo para o desenvolvimento e fortalecendo a paz e a segurança mundiais.

Fator essencial na comunicação harmoniosa entre os povos, o multilinguismo também é considerado pela Assembleia Geral das Nações Unidas como um valor central da Organização.

No nosso Hospital, com base nos dados de 2021 e 2022, cerca de 20% dos Utentes tem nacionalidade estrangeira. Muitos deles falam português, mas há uma crescente percentagem de utentes de língua não portuguesa.

Para que a abordagem destes utentes no Hospital seja completa e positiva é fundamental que haja tradução/ interpretação facilitando a comunicação entre Utentes e Profissionais.

No Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca, 16 colaboradores, de diferentes serviços e carreiras, que aceitaram o desafio de pertencer à bolsa de intérpretes e tradutores locais do Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca, colocando voluntariamente as suas aptidões linguísticas ao serviço da instituição.

Que apoio pode dar um intérprete num hospital?

O papel dos intérpretes facilita a comunicação entre as equipas e os pacientes que não falam português ou que têm dificuldades em expressar-se na língua “lusa.”

Um atendimento no Serviço de Urgência, em consulta, num exame, perante a necessidade de administração de medicamentos são exemplos de situações, no decorrer da prestação de cuidados, em que é difícil e frustrante para o/a profissional de saúde se o idioma entre si e o/a utente constituir uma “barreira” entre ambos. Tal situação, torna árdua a tarefa de compreender queixas, determinar o que não está bem no quadro clínico do/a utente e adequar a prestação de cuidados. Neste contexto, o apoio de um intérprete pode ser a solução. Estreitando a barreira da língua para que profissionais de saúde e utentes comuniquem com eficácia, apesar das barreiras do idioma.

Se por um lado, o/a intérprete traduz o que o/a um/a utente pretende transmitir sobre os seus sintomas, problemas pré- existentes e outras preocupações sobre o seu estado. Por outro, auxilia o/a clínico a explicar e clarificar sobre diagnósticos, procedimentos, orientações, prescrições e opções de tratamento, propostos no hospital.

Para Helena Almeida, médica Pediatra, Presidente da Comissão de Humanização do hospital: «é fundamental que profissionais e utentes se compreendam e entendam, o que só pode ser conseguido quebrando a barreira linguística – por isso são tão preciosos os nossos tradutores.»

Obrigado aos intérpretes do Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca por contribuírem nesta tarefa de nos fazermos entender uns aos outros, quando a língua não é comum!