Dia Internacional para a Erradicação da Mutilação Genital Feminina

6 Fevereiro, 2022

A Mutilação Genital Feminina (MGF) está definida pela Organização Mundial de Saúde como qualquer procedimento que envolva a remoção parcial ou total dos órgãos genitais externos da mulher ou que provoque lesões nos mesmos por razões não médicas. Portugal está entre os países de risco no que diz respeito à MGF.

No Hospital Fernando Fonseca (HFF) existe um grupo de trabalho dedicado a identificar e sinalizar as utentes vítimas de MGF, de forma a tentar proteger as meninas recém-nascidas e impedir a perpetuação desta prática. Este grupo é constituído por uma médica obstetra e três enfermeiras especialistas em saúde materna e obstetrícia, que trabalham em parceria com o Núcleo Hospital de Apoio à Criança e Jovem em Risco do HFF, com o ACES Amadora e com o ACES Sintra.

De 2015 a 2021 foram identificadas 218 utentes, vítimas de MGF, oriundas de: Guiné-Bissau, Guiné-Conacri, Senegal, Cabo Verde, Gâmbia e Nigéria. A MGF foi realizada, na grande maioria, na infância/idade desconhecida destas mulheres.