Hand Medal Project no Serviço de Medicina Intensiva do HFF

8 Setembro, 2021

Fátima Assuda, enfermeira-chefe das três Unidades de Cuidados Intensivos (UCI) do Serviço Medicina Intensiva (SMI) do Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca (HFF), foi mais uma das homenageadas no âmbito do Hand Medal Project. Trata-se de uma iniciativa à escala mundial que pretende homenagear e agradecer aos profissionais de saúde que têm combatido a COVID-19 na primeira linha ou a assegurar funções de suporte essenciais à prestação de cuidados de saúde neste momento tão difícil.

Atualmente o SMI do HFF disponibiliza um total de 35 camas distribuídas pela UCIP – Unidade de Cuidados Intensivos Polivalente, UCICRE – Unidade de Cuidados Intensivos Cirúrgicos Especiais, e a UCI-II – Unidade de Cuidados Intensivos de Nível II, que entrou em funcionamento na segunda metade do passado mês de janeiro, em plena terceira vaga da pandemia, adicionando 15 camas às existentes.

Durante o mês de fevereiro, pico da pandemia no HFF, o SMI aumentou a sua capacidade de resposta ao doente crítico COVID, expandindo a sua capacidade para um total de 50 camas. A resposta a essa fase da pandemia exigiu um verdadeiro espírito de missão e mobilização total dos seus profissionais, apoiados colegas de outras especialidades.

Foi também no SMI que em março de 2020 deu entrada o primeiro paciente infetado com COVID-19 no HFF. Desde o início da pandemia foi necessário reorganizar todas as três Unidades de Cuidados Intensivos e ir adaptando-as conforme a realidade se ia alterando.

“Têm sido meses de grande intensidade, duros e muito difíceis de combate a esta pandemia, mas a vontade, força, profissionalismo, dedicação e superação de todos os profissionais deste Serviço, bem como de todos os outros profissionais que vieram deslocados de outros serviços do HFF, têm sido fulcrais no sucesso que se tem relevado esta nossa missão”, salienta Fátima Assuda. Foi neste contexto que a enfermeira-chefe decidiu atribuir as cinco medalhas que recebeu aos dois enfermeiros responsáveis pelas Unidades da Cuidados Intensivos, Hélio Correia e Jacinta Santos, à auxiliar de ação médica Telma Rego, à médica intensivista Isabel Serra e a enfermeira Maria do Carmo Esteves, enfermeira do Bloco Operatório que esteve 13 meses deslocada do seu serviço a trabalhar nas Unidades de Cuidados Intensivos COVID do SMI.

“Estes colegas que decidi distinguir com as medalhas foram absolutamente essenciais nesta missão, que tem sido a missão das nossas vidas”, destaca Fátima Assuda. “Eles representam todos os profissionais deste Serviço, mas também todos aqueles que reforçaram esta equipa durante as fases mais críticas da pandemia, e que fizeram que com que todos nos orgulhemos do trabalho que tem sido aqui desenvolvido em prol da saúde dos nossos utentes”, conclui.